Glossário

A

Associação Brasileira das Companhias Abertas – é uma associação civil, sem finalidade lucrativa, fundada para sustentar as posições das companhias abertas junto aos centros de decisão, à opinião pública e, em especial, ao mercado de capitais.

ANDIMA: Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro, é uma entidade civil sem fins lucrativos que reúne instituições financeiras de diversos segmentos, incluindo bancos comerciais, múltiplos e de investimento; corretoras e distribuidoras de valores; e administradores de recursos. Se destaca como prestadora de serviços, oferecendo suporte técnico e operacional às instituições, fomentando novos mercados e trabalhando pelo desenvolvimento do Sistema Financeiro Nacional.

APIMEC: Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais que concentra suas atividades na certificação dos profissionais, representação política institucional frente ao governo e entidades representativas congêneres do mercado e no intercâmbio internacional com outras confederações de profissionais.

ARTESP: Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo que tem a finalidade de regulamentar e fiscalizar todas as modalidades de serviços públicos de transporte autorizados, permitidos ou concedidos a entidades de direito privado, no âmbito da Secretaria de Estado dos Transportes.

ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA (AGE): Reunião de acionistas convocada para discutir e deliberar sobre assuntos de interesse social, exceto os pertinentes à Assembléia Geral Ordinária.

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA (AGO): Reunião de acionistas de uma Companhia com convocação anual obrigatória pela diretoria para tomada de contas dos administradores, exame e votação das demonstrações financeiras, destinação dos lucros, distribuição de dividendos e eleição dos administradores e do Conselho Fiscal.

B

BALANCETE: Balanço intermediário da situação econômico-financeira e do estado patrimonial de uma empresa, referente a um período inferior ao do seu exercício social.

BALANÇO: Demonstrativo contábil dos valores do ativo, do passivo e do patrimônio líquido de uma entidade jurídica, relativo a um exercício social completo.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL – BNDES: Empresa pública federal com o objetivo de financiamento de longo prazo para a realização de investimentos em todos os segmentos da economia, em uma política que inclui as dimensões social, regional e ambiental.

BOVESPA: Bolsa de Valores de São Paulo. Associação sem fins lucrativos, com a finalidade de manter local ou sistema de negociação eletrônico adequado à realização de transações de compra e venda de títulos e valores mobiliários, registrados na CVM - Comissão de Valores Mobiliários, em mercado livre e aberto, especialmente organizado e fiscalizado pelos seus membros, pela autoridade monetária e, em especial, pela própria CVM. A auto-regulação da Bolsa de Valores visa a preservar elevados padrões éticos de negociação, e divulgar as operações executadas com rapidez, amplitude e detalhes.

C

CAPITAL SOCIAL: Montante de capital de uma sociedade anônima que os acionistas vinculam ao seu patrimônio como recursos próprios, destinados ao cumprimento dos objetivos da empresa.

CERTIFICADO DE DEPÓSITO BANCÁRIO – (CDB): Título de renda fixa emitido por bancos comerciais e de investimento que rende juros, que representa promessa de pagamento nominativa endossável à ordem, de importância depositada em banco, acrescida do valor da remuneração ou lucratividade convencionada até o vencimento.

CETIP: Central de Custódia e Liquidação de Títulos - empresa criada pelas instituições financeiras, em parceria com o Banco Central que efetua a custódia escritural de ativos e contratos, registra operações realizadas no mercado de balcão, processa a liquidação financeira e oferece ao mercado uma Plataforma Eletrônica para a realização de diversos tipos de operações online, tais como leilões e negociação de títulos públicos, privados e valores mobiliários de renda fixa.

CODIM: Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado foi criado com o objetivo de ser uma nova e eficiente ferramenta de trabalho para o aperfeiçoamento do mercado de capitais. Sua missão inclui a elaboração de pareceres de orientação que devem alinhar as Melhores Práticas de Divulgação, estabelecendo princípios básicos e a utilização de recursos tecnológicos compatíveis com as necessidades dos agentes do mercado de capitais.

CONCESSÃO: Privilégio concedido pelo Estado a uma empresa ou indivíduo para que explore ou um serviço de utilidade pública ou recursos naturais.

CONCESSIONÁRIA: sociedade anônima, com fim específico e exclusivo de exploração da concessão.

CVM: Comissão de Valores Mobiliários. Autarquia com a finalidade de disciplinar, fiscalizar e desenvolver o mercado de valores mobiliários no Brasil, ou seja, é o órgão regulador do mercado de capitais brasileiro.

D

DEBÊNTURE: Título emitido por uma sociedade anônima para captar recursos, visando ao investimento ou ao financiamento de capital de giro.

DER/SP: Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo, titular de domínio do patrimônio rodoviário e do ônus fixo da outorga.

DISCLOSURE: Divulgação de informações por parte de uma empresa, as quais possibilitam uma tomada de decisão consciente pelo investidor e aumentam sua proteção.

E

EBIT: Earnings Before Interest and Taxes, ou seja, lucro antes de juros e impostos.

EBITDA: (EBITDA) é a sigla em inglês para “Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization”, que significa: Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização.

EDITAL: Ato pelo qual se faz publicar pela imprensa, ou nos lugares públicos, certa notícia, fato ou ordem, que deva ser divulgada ou difundida, para conhecimento das próprias pessoas nele mencionadas, bem como às demais interessadas no assunto

I

IBRI: Instituto Brasileiro de Relações com Investidores – foi criado como objetivo de valorizar o papel da comunidade de profissionais de Relações com Investidores no Mercado de Capitais brasileiro, e contribuir para seu fortalecimento e aperfeiçoamento.

IASB: Entidade do setor privado, independente, criada para estudar, preparar e emitir normas de padrões internacionais de contabilidade. Constituída por mais de 140 entidades profissionais de todo o mundo, incluindo o Brasil representada pelo Instituto Brasileiro de Contadores - IBRACON e o Conselho Federal de Contabilidade - CFC. Relativamente a sua estrutura, o IASB é vinculado à Fundação para o Comitê de Normas Internacionais de Contabilidade.

IFRS: International Financial Reporting Standards): Normas Internacionais de Contabilidade. Conjunto de pronunciamentos contábeis internacionais publicados e revisados pelo IASB (International Accounting Standards Board).

INVESTIMENTO: Emprego da poupança em atividade produtiva, objetivando ganhos a médio ou longo prazo. É utilizado, também, para designar a aplicação de recursos em algum tipo de ativo financeiro.

J

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO: Os juros sobre Capital Próprio (JCP) correspondem a uma remuneração alternativa da empresa ao acionista, a outra é sob a forma de dividendos.

M

MARGEM EBIT: Equivale ao EBIT dividido pela receita líquida, expresso em percentagem.

MARGEM EBITDA: Equivale ao EBITDA dividido pela receita líquida, expresso em percentagem.

O

OUTORGA FIXA: Valor do preço que a Concessionária vem pagará pela delegação do serviço público de exploração da Concessão.

ÔNUS VARIÁVEL: Valor mensal variável a ser pago pela Concessionária à ARTESP relativo à regulação e fiscalização, correspondente a 1,5% (Um e meio por cento) da receita bruta de pedágio e das receitas acessórias, efetivamente obtidas pela Concessionária, excetuada a receita financeira.

P

PIB (Produto Interno Bruto): Soma de toda a riqueza gerada por um país em um determinado intervalo de tempo.

PODER CONCEDENTE: a União, o Estado, o Distrito Federal ou o Município, em cuja competência se encontre o serviço público, precedido ou não da execução de obra pública, objeto de concessão ou permissão.

R

RATING: Opinião sobre a capacidade de um país ou uma empresa saldar seus compromissos financeiros. A avaliação é feita por empresas especializadas, as agências de classificação de risco, que emitem notas, expressas na forma de letras e sinais aritméticos, que apontam para o maior ou menor risco de ocorrência de um "default", isto é, de suspensão de pagamentos.

RISCO PAÍS: É o risco do governo de um determinado país mudar a sua política econômica ou as regras de contratos a ponto de interferir nos pagamentos a credores estrangeiros. Este risco geralmente está embutido na taxa de juros cobrada por empréstimos estrangeiros.

ROAD SHOW: Evento de Relações Públicas / Marketing, que funciona como um fórum informal entre o emissor de valores mobiliários e os potenciais investidores.

S

SERVIÇOS DELEGADOS: serviços públicos a serem prestados obrigatória e ininterruptamente pela Concessionária durante todo o prazo da Concessão.

SISTEMA AVI (Automatic Vehicle Identification): O sistema AVI é um sistema eletrônico de pagamento em uso nas rodovias operadas pela Companhia. Os motoristas que aderem ao sistema AVI acoplam um sensor eletrônico no pára-brisa do veículo, que os identifica e reconhece a categoria de veículo em que o respectivo automóvel se enquadra. Ao passar por uma praça de pedágio que disponham do sistema AVI, antenas captam os sinais emitidos e os sensores registram a presença do veículo e calculam o valor total a ser pago, sem a necessidade de o motorista parar o veículo. Os dados de cada praça de pedágio são adicionados aos das demais praças e posteriormente debitados na conta corrente ou no cartão de crédito do proprietário do veículo uma vez ao mês. Na eventualidade de tal proprietário permanecer inadimplente, o número do seu respectivo sensor é identificado de forma a impedir a passagem de seu veículo na praça de pedágio com a utilização do sistema AVI. O sistema AVI em operação, denominado “Sem Parar”, é inter-operável com o sistema das demais concessionárias do Estado de São Paulo e de algumas das concessionárias federais.

SISTEMA NACIONAL DE DEBÊNTURES: administrado pela ANDIMA e operacionalizado pela CETIP para processar o registro, a custódia, a negociação e a liquidação financeira das operações com debêntures

T

TAXA BÁSICA DE JUROS (SELIC): É a taxa referencial dos juros básicos praticados pelo governo, divulgada pelo Comitê de Política Monetária (COPOM).

TAXA DI: É a taxa média de juros para operações interbancárias de um dia (overnight) registradas na CETIP (Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados).

TR (TAXA REFERENCIAL): É a taxa que serve de referência nas transações financeiras realizadas no país. É calculada pelo Banco Central baseado em juros pagos pelos Certificados de Depósitos Bancários (CDBs) das trinta maiores instituições financeiras

V

VEÍCULOS EQUIVALENTES: A unidade de veículo equivalente é usada como base para cobrança das tarifas de pedágio e é calculada adicionando-se aos veículos leves (passeio), os veículos pesados (comerciais, como caminhões e ônibus) multiplicados pelos respectivos números de eixos. Um veículo leve equivale a um eixo de veículo pesado.

Topo
  • compartilhe:
  • Compartilhar