• 1T17

    1. Queda de 1,8% no tráfego do 1º trimestre de 2017 em comparação ao mesmo período do ano anterior, em VEQ (Veículos Equivalentes), como consequência da redução de tráfego de veículos pesados em 1,0% neste mesmo período, e também redução no tráfego de veículos leves de 2,8% no mesmo período. A redução do tráfego de veículos deveu-se, basicamente, ao momento de retração econômica que o país continua atravessando. Apesar desta queda, a Receita de Pedágio teve um aumento de 10,6% no mesmo período;

       

    2. Evolução de programas de redução de custos operacionais e despesas administrativas, os quais vêm proporcionado, desde 2013, constantes reduções nos patamares de custos e despesas operacionais da Companhia e que resultaram em redução de 1,5% no 1º trimestre de 2017 em comparação com o mesmo período do ano anterior (não considera efeitos de custos de construção e depreciação e amortização);

       

    3. Melhora do EBTIDA ajustado, que encerra o trimestre com margem de 81,3% (78,7% no 1T16), valor de R$ 119.908, mesmo com os efeitos decorrentes da redução do tráfego. O resultado está atrelado à manutenção da austeridade na gestão de custos e despesas operacionais, que seguem crescendo abaixo da inflação; ao reajuste de 9,32% nas tarifas de pedágio em ocorrido em julho/16; e pelo incremento da tarifa da Praça de Pedágio de Itatiba por conta da entrega do Prolongamento do Anel Viário José Roberto Magalhães Teixeira (SP-083).
    Topo
    • compartilhe:
    • Compartilhar